Inovação nas empresas é um tema que tem sido muito discutido entre os líderes nesses últimos anos. É verdade que, atualmente, inovar é a principal estratégia para sobreviver no mercado e que se manter estacionado, assistindo às tecnologias e não se posicionando em meio ao mundo 4.0, é inaceitável.

De acordo com um estudo feito pela Consultoria Imaginatik para entender os maiores obstáculos nos processos de inovação, 95% dos entrevistados acreditam que inovar é uma postura que deveria aparecer entre as principais prioridades dos executivos de uma organização. Entretanto, 44% disseram que suas empresas investiram menos de 2% dos seus orçamentos em inovação e 63% delas não possuem uma estrutura formal para gerenciar projetos de inovação (cio.com).

Nós sabemos que não é do dia para a noite que os executivos se conscientizam da importância de inovar em seus processos. Os principais pontos de atenção, que podem impactar negativamente no amadurecimento desta ideia, são os processos burocráticos, a baixa taxa de adoção dos projetos e o nível de maturidade digital que a empresa se encontra.

Inovação x Incerteza: correndo riscos no mundo 4.0

A inovação está associada à incerteza. Não tem como prever se os resultados serão positivos ou negativos, o que acaba dificultando seu gerenciamento e, claro, aceitação. Por este motivo, utilizar metodologias ágeis pode favorecer a inovação. A maneira tradicional de gerenciar os projetos acaba limitando o escopo de trabalho, além de acarretar problemas durante os projetos e ainda correr riscos de perder muito dinheiro.

Já com as metodologias ágeis, os profissionais conseguem ser maleáveis o bastante para virar o barco e alterar a rota do projeto, antes que ele vá por água abaixo e cause prejuízos para a empresa. Metodologias como o Scrum, Lean, Kanban e Smart permitem um alinhamento entre as equipes e o cliente, além de rápida identificação e resolução de problemas, redução de riscos, entregas de etapas mais assertivas e aumento da qualidade do projeto.

Abaixo fizemos um breve resumo sobre essas quatro metodologias:

Scrum

Para esta metodologia, é necessário ter a ampla compreensão da equipe, com papéis bem estruturados para cada um dos envolvidos.

O gestor cria uma lista de prioridades, normalmente chamada de backlog. Assim, as atividades são distribuídas para o Scrum Team, que inicia os Sprints (intervalos de tempo de desenvolvimento).

Ao final de cada etapa, são feitas revisões, ajustes de atividades e validação.

Lean

Conhecido como o mais enxuto dos métodos, é muito utilizado no universo das startups e do empreendedorismo.

Um dos princípios do Lean é a identificação e eliminação eficiente de desperdícios dentro de um projeto ou organização.

A ideia por trás desta metodologia é a diminuição de custos e complexidade de tarefas, além de melhorar as entregas, aumentar a performance e o compartilhamento de informações.

Kanban

É o mais utilizado e mais simples dos métodos, e demanda que toda a equipe esteja engajada para que ele possa funcionar perfeitamente.

É basicamente um quadro, que pode ser físico ou virtual, divido em três colunas: to do (fazer), doing (fazendo) e done (feito). Desta maneira, é possível acompanhar as tarefas que estão em andamento, bem como seu progresso em cada coluna.

Smart

Esta metodologia possibilita criar objetivos mais reais e tangíveis para sua empresa. Cada letra dessa pequena palavra traz um grande significado: Specific (específico), Measurable (mensurável), Attainable (atingível), Relevant (relevante) e Time-related (tempo) (SMART).

Vale ressaltar que as metodologias que favorecem a inovação não se limitam apenas às que foram apresentadas aqui.

 

E agora chegou a sua vez. Conte para a gente nos comentários se a sua empresa já utiliza algum tipo de metodologia ágil e como sua empresa está tratando os processos de inovação.

Aproveite e assine a nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que acontece no mercado B2B!

Até a próxima! 😊