4 tendências para o setor de compras em 2020

Estamos no terceiro mês de 2020 e muitos acontecimentos já impactaram o setor de compras B2B. Dólar em alta, problemas de exportação, confirmação de pandemia do coronavírus e tantas outras coisas que estão acontecendo nos bastidores político e econômico. O ano apenas começou e ele já nos trouxe inúmeros desafios.

Mas mesmo diante disso tudo, as empresas precisam se estruturar e se atualizar para manter os negócios funcionando, atingir as metas e satisfazer os clientes.

Portanto, nesta postagem, iremos falar sobre as tendências para o setor de compras B2B e as práticas que podem ajudar os compradores no ano de 2020.

Está preparado? Continue a leitura!

 

1. Investimentos em Machine Learning

As companhias estão investindo em Machine Learning para obter mais produtividade, ganho financeiro e resultados assertivos. Esse movimento de mercado deve aumentar ainda mais nos próximos anos. Até 2021, o investimento em Inteligência Artificial e Machine Learning deve crescer 46,2% anualmente, totalizando U$S 52 bilhões, segundo pesquisa recente da consultoria IDC.

No caso do setor de compras, o crescimento significa mais espaço para implementar ferramentas e soluções que otimizem o tempo gasto com processos manuais. Além disso, cria uma cultura estratégica de organização das transações, gerenciamento de fornecedores, gestão de riscos e, principalmente, de análise de dados.

O foco do Machine Learning é traçar perfis mais corretos de seus clientes e até prever comportamentos para tomadas de decisão assertivas.

Caso você queira ler mais sobre o assunto, clique aqui!

 

2. Fornecedores como parceiros

A maneira com que os compradores se relacionam com seus fornecedores tem mudado com o passar dos anos. Hoje em dia, devido aos desafios de mercado e à concorrência acirrada, as organizações precisam que vendedores forneçam para eles com prazos e quantidades estabelecidas.

Portanto, hoje, mais do que nunca, as relações estão funcionando como uma troca. O comprador é parceiro dos fornecedores, a fim de favorecê-los durante as relações de acordo. Desta maneira, os vendedores têm prazer em fazer negócios e ajudar as organizações a alcançarem seus objetivos de prazo, preço e qualidade.

Neste momento, o fornecedor passa a atuar como um sócio da empresa, onde, juntos, podem criar e desenvolver cenários que sejam satisfatórios para ambos os lados. Essa relação, além de diminuir os riscos da cadeia de abastecimento e aquisição, favorece a inovação nas empresas.

 

3. Digitalização dos processos de compras

Segundo o relatório “Compras de classe mundial: redefinindo o desempenho na era digital”, feito pela Consultora Internacional Hackett Group, empresa líder em benchmarking e melhores práticas para empresas globais, as áreas de compras que usam as tecnologias 4.0 conseguem obter uma redução de custos de até 17%. Entretanto, quando aceitam verdadeiramente a transformação digital – ou seja, mudam o mindset e não apenas utilizam determinada tecnologia de maneira pontual – conseguem reduzir os gastos em 45% ou mais.

O relatório também aborda a importância de livrar os profissionais de atividades rotineiras e repetitivas, dando mais tempo e condições para eles serem estratégicos. Por meio da transformação digital, é possível implementar soluções robotizadas, que ajudam a reduzir os erros nos processos e, claro, a obter mais lucro.

Após a mudança de comportamento, restará para as organizações decidir como utilizar as economias de custo geradas pela digitalização. Talvez, seja uma ótima oportunidade para investir em funcionários, qualificando-os para tarefas mais estratégicas e importantes para o negócio da empresa.

Caso você queira ler mais sobre o assunto, clique aqui!

 

4. Gestão de riscos para evitar problemas na cadeia de suprimentos

Nenhum negócio é intocável. As ameaças são inerentes a todos e, quando falamos sobre riscos, existem aqueles que conseguimos prever e evitar, e aqueles que simplesmente acontecem e nos forçam a atuar rapidamente para que os impactos sejam mínimos nos negócios e na sociedade. Por isso, é preciso ter um plano de contingência sempre que algo inesperado aconteça.

No caso do Coronavírus, temos visto que o risco sequer havia sido mapeado. Neste cenário, é necessário revisitar os 5 passos da gestão de riscos, não só olhando para o risco primário da contaminação das pessoas, mas também os riscos secundários na cadeia de suprimentos e na economia mundial.

O planejamento das respostas deve incluir fontes alternativas de suprimentos e níveis de estoque, considerando também uma possível queda na demanda dos produtos ou serviços das empresas.

Caso você queira ler mais sobre o assunto, clique aqui!

 

Quais outras tendências você incluiria nessa lista? Deixe o seu comentário!

E não se esqueça de assinar a nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que acontece no mercado entre empresas.

Até a próxima! 🙂