Renato Carreira, diretor de supply chain do GRSA e cliente ME, participou do 15° Fórum de Compras e Sourcing do Inbrasc, que aconteceu nos dias 16 e 17 de outubro, em São Paulo.  Em sua palestra “Turnaround em compras por meio de strategic sourcing e tecnologia”, Renato dividiu com os participantes os desafios e resultados de sua área, bem como a complexidade de gerir uma indústria de alimentos, que atua em três frentes diferentes:

  • Cálculo de demanda: base de dados de cardápios e receitas, geração de pedidos, controle de custos e volumes.
  • Suprimentos: organização por categoria com foco na redução de custos, sourcing e mesa para velocidade e regionais.
  • Distribuição (logística): cálculo de demanda dos centros de distribuição, gestão de operadores logísticos, expansão do atendimento, custos e SLA.

Ao chegar na empresa, cinco anos atrás, Renato percebeu que a área de compras priorizava cotação, ao invés de negociação, uma vez que não tinha braço e tempo para dar conta de toda a demanda. Os profissionais da área ficavam focados no operacional e em “apagar incêndios”, no lugar de pensar estrategicamente. Para resolver este problema, o diretor de supply chain contratou uma consultoria para realizar o assessment.

 

Turnaround em compras por meio de strategic sourcing e tecnologia

Para o GRSA comprar a ideia, Renato fez uma abordagem estruturada em três etapas: (1) revisão de processos e atividades, (2) spend analysis e workshop para definir estratégias por categoria e (3) benchmark e práticas de líderes de mercado.

Já a implementação aconteceu em três dimensões, envolvendo processos, pessoas e tecnologia.

  • Processos: desenho e implementação, governança e KPIs, SLAs, políticas e procedimentos, metodologia para captura de savings.
  • Pessoas: change management, recrutamento e treinamento, implementação de nova estrutura.
  • Tecnologia: category management reports, seleção e implementação do portal B2B.

Como parte da reestruturação, o cenário organizacional também foi redefinido por itens, sendo que cada gerente ficou responsável por uma área específica: bebidas estocáveis, pães e massas, hortifruti, proteínas e não alimentar. Desta maneira, hoje, os líderes conseguem negociar com fornecedores estratégicos, sem conflitos e otimizando todo o processo de compras.

 

Ferramenta do ME foi a escolhida

Na hora de selecionar uma ferramenta para concretizar seu turnaround, Renato analisou várias plataformas, de empresas nacionais e internacionais, e optou pelo Mercado Eletrônico. Os motivos? Alta aderência nos critérios técnicos da seleção, disponibilidade de diversas ferramentas (leilão, RFX, WFD), investimento reduzido, por conta do plano empresa, e flexibilidade na solução de problemas.

Atualmente, seis serviços do ME estão ativos no GRSA para ajudar profissionais a comprarem cada vez melhor: leilão eletrônico, portal de pedidos, contas pagas e a pagar, catálogo eletrônico, portal de cotações e RFX.

Estande do ME no 15º Fórum de Compras e Sourcing do Inbrasc

 

Resultados

Em pouco tempo de assessment e ferramentas ME, Renato atingiu resultados satisfatórios. Para ele, o importante foi estabelecer um risco calculado (baseado em valores mínimos e máximos), usar metodologia comprovada (e-sourcing), suporte qualificado (ME) e considerar prioridade zero da equipe.

 

Sua equipe de compras também está precisando ficar menos operacional e mais estratégica? Então, conheça as soluções do Mercado Eletrônico. Aproveite e assine nossa newsletter para ficar por dentro de todas as notícias do mundo de compras e tecnologia.