neurociência-pedro-calabrez

Pedro Calabrez – professor, escritor e neurocientista – foi o palestrante que fechou o evento ME B2B Summit. Em sua apresentação, o palestrante deu dicas sobre como a neurociência pode ajudar na vida profissional. E, claro, superar as dificuldades do dia a dia.

A seguir, selecionamos 6 ensinamentos da neurociência para começar a aplicar agora mesmo na sua rotina. Confira!

 

1. Prazer, córtex pré-frontal

neurociência-cortez-pré-frontal

Já é sabido que o que diferencia o homem do animal é a racionalidade, tanto que nossa espécie, embora fisicamente frágil, conseguiu vencer as adversidades da história e contribuir para a evolução do Planeta Terra.

Avanços nas áreas de saúde, educação, ciência e tecnologia são exemplos do poder do cérebro humano.

Mas uma parte específica nos confere esta vantagem racional: o córtex pré-frontal, uma área que garante a capacidade de frear emoções, ter visão de futuro e estabelecer atenção continuada.

Uma curiosidade interessante é que o álcool inibe o córtex pré-frontal e não à toa torna seus consumidores mais impulsivos e sinceros. Ou, em outras palavras, sem autocontrole.

 

2. Autocontrole na sexta-feira à tarde?

neurociência-autocontrole

Segundo a Wikipedia, “autocontrole é a capacidade de gestão de uma pessoa para seu futuro” e, assim como a racionalidade, também é uma característica exclusivamente humana, sendo que sua ausência pode colocar muita gente em situações ruins.

Autocontrole é esgotável e, por isso, Pedro explicou que marcar uma reunião importante para sexta-feira à tarde é um grande risco. Afinal, com o passar da semana, o nível de autocontrole já está baixo e qualquer adversidade pode fazer a pessoa sair do script.

Este evento também pode ser chamado de ego depletion (esgotamento do ego). Para regenerá-lo, é preciso comer bem e ter boas horas de sono.

Um exemplo diário do nosso esgotamento é em relação à comida. De manhã, você resiste à vontade do doce, mas à tarde, lá pelas 16h00, já não tem mais forças para fugir da tentação.

 

3. Distância Psicológica

neurociência-distância-psicológica

Outro assunto em foco foi como a distância psicológica pode interferir negativamente nas relações interpessoais.

Pedro fez analogias para mostrar que quando nos distanciamos da situação fica mais fácil tomar decisões. Porém, em um mundo onde os soft skills são tão importantes quanto as habilidades técnicas, isto não é mais cabível.

Um exemplo é o Tinder, onde você dá match quase que instantaneamente, quando, ao vivo, demoraria muito mais tempo (ou, talvez, nem teria coragem) para chegar em alguém.

No cenário corporativo isto acontece quando um assunto difícil e delicado é resolvido por e-mail ao invés de pessoalmente.

 

4. Inteligência Colaborativa

neurociência-colaboração

Já falamos no começo do post que a inteligência é o nosso diferencial como espécie. Mas é importante lembrar que o que nos fez chegar até aqui, na era da quarta revolução industrial, foi a inteligência colaborativa. Ou seja, várias pessoas trabalhando em conjunto, a fim de construir evoluções para a sociedade.

Quem hesita trabalhar em equipe e atuar com outras mentes pensantes, provavelmente, terá dificuldades de se adaptar ao mercado de trabalho do presente e, principalmente, do futuro.

Lembrar que só chegamos até aqui, porque avançamos juntos, é fundamental.

 

5. Confiança é prosperidade

neurociência-confiança-e-prosperidade

Como bons brasileiros, somos desconfiados. Mas desconfiança é um fator de impedimento para o avanço, pois gera egoísmo, medo e liderança dissonante.

O resultado disso tudo, além de insatisfação generalizada, é aumento de custos. Não por acaso vivemos em um país onde a maioria tem a sensação de trabalhar muito e ganhar quase nada.

Por isso, se você é um gestor e tem a possibilidade de mudar este cenário, promova confiança e honestidade. Deste jeito, você cria um ambiente aberto à transformação e se torna um líder respeitado (não apenas obedecido).

 

6. Pensar negativo está fora de moda

neurociência-negativismo-está-fora-de-moda

Nossa atenção é limitada. Se gastamos muitas horas pensando negativamente, não nos sobra tempo e disposição para pensar positivamente.

Além disso, é importante lembrar que este hábito não direciona ninguém para o progresso, pois uma atitude negativa pode impedir o acontecimento de um bem maior.

Pesquisas mostram que pessoas com tendências negativas têm mais chances de sofrer um enfarto no miocárdio.

Então, se você se identificou com o texto, talvez seja o momento de mudar este padrão.

 

Sugestões de leitura para ir além no assunto:

 

Com esta postagem, encerramos nossa cobertura do ME B2B Summit 2018. O evento, que durou mais de 8 horas, rendeu várias postagens com muita informação, história, comportamento e tendências do mercado eletrônico B2B. Não perca a chance de se inscrever para a edição 2019! 

Assine também a nossa newsletter para não perder nenhum assunto do blog. 😉