como-ter-mais-equilíbrio-entre-as-diferentes-áreas-da empresa

“Mente sã em corpo são”. A frase latina “mens sana in corpore sano”, da coleção de sátiras do poeta romano Juvenal (55- 127 d.C), expressa o equilíbrio entre corpo e mente. Empregada no universo corporativo, a sentença serve de analogia para as compras corporativas e a necessidade de manter o equilíbrios entre as diferentes áreas de uma organização.

Quem conta isso é Alexandre Moreno, diretor de serviços do Mercado Eletrônico, no artigo para o portal Administradores.com. Nele, Moreno aborda temas como crescimento e lucro, e como eles podem ser impactados pelas diferenças entre departamentos.

O executivo traça um paralelo entre mente, que seria o equivalente à empresa e corpo, descrito no texto como as áreas da empresa e aproveita para apontar problemas observados ao longo de sua trajetória em compras corporativas.

Segundo ele, algumas empresas insistem em manter a estrutura de compras da mesma com uma configuração antiquada para os dias de hoje, ou seja, meramente operacional e, logo, com pouca eficiência. “As áreas de compras são focadas em tirar da frente as requisições, em gerar regularizações de compra, fazer pequenas negociações ou ter uma ou duas métricas para satisfazer as chefias”, contou, se referindo à importância de uma visão mais estratégica para o setor.

Para Moreno, as compras de empresa significam mais do que obter o melhor preço. É preciso, conforme explica, entender as metas e necessidades da empresa a fim de encontrar a melhor solução de aquisição.

Para ele, comprar é o mesmo que “trabalhar de forma estratégica, representar sua empresa perante o mercado fornecedor, formar parcerias e alianças com os melhores, questionar tudo e todos, atender seus clientes internos para obter nada mais, nada menos, do que o melhor para a empresa dentro de suas possibilidades”.

Leia o artigo na íntegra e confira outras dicas para ter uma área de compras mais produtiva. Descubra ainda como a tecnologia ajuda a poupar tempo e otimizar negócios em outro artigo de Alexandre Moreno.